Itaúna, sexta-feira, 15 de março de 2013 às 11:23:43

Senai e Consórcio Mínero-Metalúrgico apresentaram em Itaúna projeto de incentivo aos cursos técnicos

O Consórcio Mínero-Metalúrgico, junto com o Sesi e o Senai, vai percorrer as escolas públicas do Estado para incentivar os jovens a ingressarem na carreira técnica. O piloto do Projeto de Incentivo aos Cursos técnicos foi apresentado na manhã desta quarta-feira (13), no Centro Tecnológico de Fundição, unidade do Senai, em Itaúna-MG. “O Brasil precisa de técnicos para sustentar seu crescimento”, enfatizou a gerente de Recursos Humanos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e coordenadora do Consórcio, Alba Valéria Santos. Com investimentos estimados em cerca de R$ 36 bilhões no setor – com base nos principais protocolos firmados pelo governo de Minas e anunciados pela iniciativa privada para os próximos cinco anos, a demanda por técnicos no Estado vai aumentar. “Precisamos nos preparar para atender esta demanda”, diz.

 

O profissional de nível técnico é mais valorizado nos setores industriais em função das capacidades desenvolvidas nos dois âmbitos: o teórico e o prático. Segundo o gerente do Centro de Tecnologia (Cetef) de Itaúna, Pedro Paulo Drumond, o projeto vai ajudar a divulgar as vantagens dos cursos técnicos e a valorizar a carreira junto aos jovens e à sociedade. “Por meio de palestras e material de divulgação os jovens vão poder conhecer os cursos disponíveis e as possibilidades de ascensão profissional”, enfatiza Drumond.

 

Durante as palestras, profissionais que optaram em iniciar sua carreira profissional pelo nível técnico vão dar depoimentos e trocar experiências com os alunos. “Vamos fomentar o ingresso dos jovens nos cursos de formação técnica, que comprovadamente depois de formados, são rapidamente absorvidos pelo mercado”, explica o analista de projetos educacionais do Senai Wellington Martins. As palestras serão direcionadas principalmente para as turmas do 9º ano, matriculados preferencialmente na rede pública de educação.

 

Segundo Alba Valéria, cerca de 70% das vagas das grandes empresas de siderurgia e mineração são direcionadas para os técnicos. “Nosso foco é investir em formação. É uma ação inteligente para transformação do contexto atual, gerando profissionais qualificados para atender a demanda por pessoas devidamente capacitadas para as empresas”, diz.

 

Para o período de 2011 a 2013, estimativas apontam que as empresas do consórcio necessitarão de 2.890 profissionais de nível superior, 5.582 de nível técnico e 10.382 de nível básico. A remuneração também é atrativa. Estima-se que um técnico sem experiência pode ter salário de R$ 1.650 e os com mais de 10 anos de experiência, cerca de R$ 5 mil. Alba Valéria também lembrou que nos processos seletivos das empresas, os engenheiros que também têm o curso técnico têm vagas garantidas. “É preciso vencer o preconceito, especialmente entre a classe média, que costuma incentivar o ingresso no curso superior”, afirma.

 

O Projeto de Incentivo aos Cursos Técnicos teve início em Itaúna, mas já tem planos de alcançar as regiões de Conceição do Mato Dentro, Quadrilátero Ferrífero, Vale do Aço e Norte de Minas Gerais, regiões onde há grande demanda de profissionais.

 

Em Itaúna, o Senai oferece os cursos técnicos de Administração, Mecânica, Eletroeletrônica, Metalurgia, Mineração e Fundição. Os cursos são concluídos em três semestres, com exceção de Administração, que é concluído em dois semestres. Para ingressar nos cursos técnicos é necessário estar cursando o ensino médio ou ter concluído. Os interessados podem participar do Processo Seletivo Unificado (PSU) do Senai ou de algum dos programas governamentais como o PEP ou o Pronatec.

 

Segundo Pedro Paulo Drumond, a unidade de Itaúna deverá ampliar o número de vagas no segundo semestre deste ano. “Cerca de 140 novas vagas deverão ser abertas, formando quatro novas turmas, para atender à demanda da indústria”, diz. Hoje o Centro Tecnológico de Fundição de Itaúna tem 17 turmas de cursos técnicos em andamento.

 

Sobre o Consórcio Mínero-metalúrgico – O consórcio é fruto da parceria entre companhias do setor mineral e metalúrgico de Minas Gerais, Senai-MG e Sindicato da Indústria Mineral do Estado de Minas Gerais (Sindiextra), para garantir a inserção de novos trabalhadores e suprir a carência de profissionais qualificados no setor.

 

Fazem parte do consórcio: Sindiextra, Fiemg, Senai, Ciemg (Confederação das Indústrias do Estado de MG), Sesi, IEL (Instituto Euvaldo Lodi) e as empresas Companhia Siderúrgica Nacional, Usiminas, Ferrous Resources do Brasil, Gerdau, Anglo American, Anglogold Ashanti, Namisa Nacional Minérios, Samarco Mineração, Mineração Usiminas, Vale, ArcelorMittal, Samarco, MRS Logística, Kinross e MSOL Jaguar Mining.

Veja mais